20090927

: Fim de semana - Lisboa :






The Cult - She sells sanctuary






Pronto ok, para além do Johnny Depp este, o Ian Astbury, era o outro único homem excêntrico e com je ne se quois que me interessaria.

Vá, está bem que ele já tem uns anitos a mais agora mas.. continua a ter piada.

Muito viva foi a experiência da banda ao vivo.. devo ter emagrecido uns 2 kg naquela hora e meia de concerto e não, as pandeiretas não foram na minha direcção. Adoro como eles sentem a música, e isso pra mim é muito importante.

Esta foi uma parte do meu fim-de-semana.



Depois, 4h sozinha pelas ruas de Lisboa que é sempre algo que me sabe bem fazer. Igrejas, mesmo não sendo católica.. gosto de passar o meu tempo lá dentro a contemplar, contemplar-me.
Gosto de ver, simplesmente, as pessoas a passar na rua. De desfolhar um livro. Da banalidade de andar de eléctrico.
Gosto de ver do céu. E Lisboa lá em baixo é ainda mais bonita.
Um pormenor, outro e outro. É o que gosto.


Um pouco do concerto aqui..

20090924






Dead Combo - O Assobio

20090923

: 7-1=6 :




Vanessa da Mata - História de uma gata

Pois, a minha gata tem menos uma vida.
Bem que ela não vinha fazer o ron-ron matinal. Até que corri a casa toda e vou à varanda.. ouvi um miado louco.. olho para baixo e lá estava ela. Ora se mia é porque está viva. Caiu do segundo andar em cima dos toldos do rés do chão. Não sei como não se espatifou nos barrotes. Caiu entre eles com certeza. Depois subiu pró primeiro andar pelos lados..


Próximo passo.. bem vou tocar à porta do vizinho de baixo ou do rés do chão. Ah espera, o vizinho de baixo não vive cá. Vou então tocar no rés do chão. Não, também não estavam. A modos que tive de subir os muros que vêm da garagem, entrar no terreno do rés do chão, mais um ou dois muros e andar de gatas pelo outro.. e passar por cima dos barrotes para chegar a ela, a tremer por todos os lados com teias de aranha a roçar-me as mãos. Eu chamava-a e quem é que vinha? Ninguém! O bicho deve ter relembrado o voo lá de cima e nem pensar ver os toldos de perto. Entretanto estava um fedor em cima daquele muro.. Claro, porque teve tempo para cagar em cima do toldo.

Depois de ter salvo o bicho, puxando-o por uma pata, ainda tive direito a ficar arranhada, toda branca dos muros e... a voltar lá abaixo e fazer todo o percurso atrás mencionado para ir apanhar o cagalhão com um papel! Ao pular o último muro a bela da poia ficou esborrachada na minha mão.. Tive de me rir.

20090921

: Cara nova :

É uma lufada de ar fresco mudar pequenas coisas. E porque mudei uma grande coisa para mim estou contente. E o resultado é o blog com uma apresentação bem a minha cara, com muito de mim.
Muito obrigada ajudante.

: Sabe a Chocolate :




Mário Laginha e Maria João - Ive grown accustomed to his face


Chocolate: Quente. Escuro. Forte. Doce. Surpresa.
Ambiente quente. E escuro. Uma sala repleta de boa ambiência, onde os olhos podem se fechados e cada cheiro e som sentido. A tecla preta e a tecla branca, uma seguida da outra e um mexer de corpo no lado oposto. Movimentos vermelhos desencontrados mas com sentido, dependendo do que e como queremos ouvir e sentir. Sentir. Está tudo em como se sente e aprecia. E apreciar um chocolate não é tão banal quanto parece.
O fumo irrompe o ambiente. Bate forte mas estagna. E paira atrás do instrumento do músico, como que querendo aproveitar cada nota. Não prentende mover-se. Acaba a música e parte.. em direcção à nossa face. Aí, o que ficou chega mais uma vez a nós. E fica. Ficou.

20090917

: De mim para mim mesma :




Mário Laginha e Maria João - Unravel



Porque não podemos dedicar, de quando em vez, uma mensagem a nós próprios? Quantas vezes nos esquecemos de nós, pessoa, perdendo-nos no fundo de algum eu. Não damos um passo para o exterior, mas não nos encontramos. Sim, achamos que sabemos, que percebemos, mas donde vem tanta necessidade de procura? Está cá dentro. Está cá dentro e não damos com ela. O fio pode ser roçado, servir de tropeço, mas não o puxamos. Quando, por momentos, tocamos a ponta e a trazemos bem segura na mão, ai sim podemos ir puxando, qual situação lentificada. Sentindo a textura, os pequenos nós que com esforço conseguimos desatar, os fios dentro do próprio fio que necessitam ser tratados. Uma outra ponta espera ser alcançada. No fim, e se quisermos despojar a mão do fio que possui e se quisermos olhá-lo e senti-lo como ele verdadeiramente é, podemos suspirar e dizer eu estou aqui e esta sou eu.


Esse fio fica para sempre nas nossas mãos e fazemos com ele o que queremos.


E esta é a música de mim para mim.



while you are away
my heart comes undone
slowly unravels
in a ball of yarn

the devil collects it
with a grin
our love in a ball of yarn

he'll never return it

so when you come back
we'll have to make new love

: Eu vou.. :


The Cult - 25 Set/20h


2 Out/23h30

Quem se vai juntar à festa??


20090911

E então ela disse-me:
De todas, és a pior!
M. de B.

20090910

Tive o que se pode chamar de intenso prazer de o ver ao vivo em 2007, em Estugarda. Um concerto bastante acolhedor e vibrante, repleto de todas as sensações únicas e inexplicáveis que a sua música me consegue fazer sentir. Especial.



Damien Rice - Cold Water
Cold, cold water surrounds me now. And all I've got is your hand. Lord, can you hear me now?Lord, can you hear me now? Lord, can you hear me now,Or am I lost?
No one's daughter allow me that. And I can't let go of your hand. Lord, can you hear me now? Lord, can you hear me now? Lord, can you hear me now? or am I lost?
oooo, I love you. Don’t you know. I love you. And I always have. Hallelujah. Will you come with me? Cold, cold water surrounds me now.
Women: cold cold water surrounds me now And all I've got is your hand. Lord, women: can you hear me? Lord, women :can you hear me now? Lord, women :can you hear me?Ahh... Am I lost with you? Am I lost with you? Am I lost with you?

20090906

: A razão pela qual se mordeu a maçã #3 :



Melanie Laurent

E palavras para quê..


Podemos vê-la no "Inglorious Bastards"

20090904

: Semelhanças como puras coincidências #1 :

Quando ouço esta música soa sempre ao que poderia ser efectivamente uma música do Moby.

Ora não?




Blueboy - Remember me [1997]



Moby - Find my baby [1999]

: Porto Côvo :

Fui para Porto Côvo acampar com os míudos e de regresso... E apesar de muito cansada, valeu a pena!








Martinho da Vila - Feitiço da Vila